Conversamos com o Nathan Alves, piloto que está voltando para o grid da SDB. Ele contou do projeto, desenvolvido por ele mesmo, da sua BMW e36, sua trajetória no automobilismo e a participação no SDB.

Como está sendo esse período de quarentena para você?

Estou mexendo no carro. Por um lado essa paralização foi boa. Estou aproveitando esse tempo extra para adiantar algumas coisas que precisavam ser feitas

Falando em carro, fala um pouco sobre ele.

É uma BMW e36, carinhosamente apelidada de Bella. Eu sou fã dos Skyline então decidi  fazer um swap de motor, coloquei um RB-20DET.
Há 5 anos eu venho trabalhando nesse chassi. Eu mesmo desenvolvi e fabriquei a parte elétrica, a gaiola, os bracinhos, o coil over e o kit ângulo. Costumo dizer que meu carro é meu campo de estudos onde aplico o meu conhecimento, e a minha ferramenta, para me tornar um piloto profissional.
Falando em potência, ele está próximo dos 300cv de roda.

E como foi a sua trajetória no automobilismo?

Eu costumo dizer que nasci gostando de carro. Desde pequeno, eu sempre quis ser piloto profissional. Mesmo com o meu pai não acreditando muito, eu fui cultivando essa ideia.
Dos 15 aos 17 anos, competi de Kart. Acabei não me profissionalizando por conta do alto investimento na época.
Depois disso morei por 2 anos em Orlando. Lá comprei um Nissan 240sx e comecei de forma despretenciosa no drift. Depois de ter comprado o carro, acabei conhecendo um pessoal que praticava, e fui me arriscando. Comecei fazendo zerinho, oito e por aí vai. É aquele negócio, uma vez que o drift chega, nunca mais vai embora.
Quando voltei para o Brasil, comprei a Bella e segui praticando. Eu costumava treinar na pista de Registro, participava de sokokais e cheguei a participar do SDB.

Conta como foi a sua participação no SDB.

Foi em 2016. Inclusive ganhei um troféu de piloto revelação, mas depois disso acabei desanimando por motivos pessoais e resolvi ajustar o meu carro nesse período que fiquei fora. Na época, tirando o swap de motor, ele era praticamente original. Como eu usava ele na rua também, eu não tinha feito alívio de peso. Para vocês terem ideia ele tinha até rádio, então acabava não sendo um carro tão competitivo. Agora o propósito mudou, todos os detalhes dele são pensando em competição e visando a performance e durabilidade para a temporada.

O que você tem em mente para a Bella no futuro? E tem algum outro projeto?

Com a Bella eu quero chegar em algo entre 450 e 500 cavalos de roda. O projeto dela é visando essa meta. Já no futuro eu quero montar um R-32, é um sonho.

O que você espera para a temporada de 2020?

Eu vou precisar de um tempo para me re-adaptar ao carro. Recentemente eu fiz uma mudança bem drástica nele, troquei a turbina e a injeção, então vou precisar me acostumar. Mas acredito que tenho condições de competir pelo título. Com certeza vou dar o meu melhor.

Tem alguma consideração final?

Gostaria de dizer que sou muito grato a todos os meus apoiadores. Não é facil de nos mantermos no esporte e, com certeza, o apoio dele é muito importante!