As palavras ‘Drift’ e ‘montanha’, sempre que aparecem juntas, fazem os olhos de todos os fãs do esporte brilharem, inclusive daqueles que já estão há muito tempo neste meio.

O motivo é simples: o Drift, esporte automobilístico de origem japonesa, foi popularizado por Keiichi Tsuchiya (conhecido como ‘Drift King’) nas montanhas do país. A associação destes dois termos resgata às raízes do esporte, já que recria as condições nas quais a técnica e as manobras foram originalmente criadas e aperfeiçoadas.

De volta ao Brasil, existe apenas uma pista em montanha disponível para praticar o esporte. Localizada dentro do centro de eventos Mega Space, em Santa Luzia, o circuito possui 2.600m de extensão e um total de 10 curvas. A descida é íngreme, com uma diferença de altura entre sua base e o ponto mais alto de 63 metros e inclinações na descida de até 10 graus.

Com sua construção iniciada em 1987 por iniciativa de Carlos Alberto Parrilo Calixto (que viria, 10 anos depois, a se tornar prefeito da cidade) o Mega Space não foi planejado para receber apenas eventos automobilísticos. Segundo seu criador:

“[…] a ideia nasceu depois de uma pesquisa que fizemos sobre o que faltava na região metropolitana. Chegamos à conclusão de que faltava um espaço para grandes eventos; […]”

E assim foi feito. O Mega já foi palco de grandes shows como das bandas Foo Fighters e Red Hot Chilli Peppers, além de diversas edições do festival de música Villa Mix.

Não demorou muito para os praticantes de Drift do Brasil perceberem o potencial da pista. O primeiro registro na internet data de 2012, durante o Campeonato Mineiro e Brasileiro de Arrancada, onde ocorreu uma demonstração do esporte. Um mês depois, em Julho de 2012, ocorreu a primeira edição do Campeonato Mineiro de Drift, com a participação de pilotos conhecidos pelo público, como Didi Seiki (que levou o troféu para casa) e Tiago Romano. Em 2013 ocorreu o Desafio dos Drifters nas Montanhas, organizado pela DS Brasil Series, que marcou a estreia do atual tricampeão brasileiro de Drift, Diego Higa, nas descidas do Mega Space.

Depois deste evento a região só veria o retorno do drift em 2016, com a vinda do campeonato europeu King of Nations para o Brasil. Neste ano dois eventos foram realizados no local: o próprio campeonato e um Soukoukai, realizado como aquecimento para o grande evento, 2 meses antes. O King of Nations foi o primeiro a reunir grandes nome do drift atual no Mega Space. Participaram, por exemplo, Diego Higa (2º lugar), Márcio Kabeça (3º lugar), João Barion, Erick Médici, Rogério Dutra “Predador”, Jonathan “JJ” e Diego Shimazaki. Quem levou a melhor foi o francês Nicolas Delorme, que levou a taça de 1º lugar da etapa e do campeonato.

O último evento de drift que ocorreu na pista foi em 2018 com a Super Drift Brasil, o campeonato brasileiro de drift, que realizou sua quarta etapa da temporada do ano no Mega Space, trazendo o circuito de volta para as competições profissionais de drift no Brasil. O evento, que foi transmitido ao vivo através do Youtube, teve grande repercussão entre os amantes do esporte por ter sido palco de grandes batalhas entre os pilotos profissionais do país.

Esta semana o campeonato anunciou que abrirá sua temporada de 2019 na pista, e a organização garantiu que o Mega Space passará a fazer parte oficialmente do circuito do campeonato. Ótima notícia para os fãs do esporte, que poderão contar com pelo menos uma demonstração do esporte por ano nesta pista que é a favorita de muitos.

A 1ª etapa do Super Drift Brasil ocorrerá no dia 31 de Março, a partir das 11h. Os ingressos serão vendidos online com preços a partir de R$30. Haverá venda de ingressos na bilheteria, mas o preço pode variar. Durante o evento o público poderá assistir às voltas de classificação e as batalhas em dupla, além de contar com visitação ao boxes (pago à parte), lanchonete e exposição de carros. Mais informações

Eventbrite - Super Drift Brasil 2019 - 1ª Etapa - Mega Space